quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Notícias rápidas - agosto/2017

Tap adiciona "Air" no nome novamente
A Tap vai voltar a usar o nome "TAP Air Portugal" ao invés de "TAP Portugal". Segundo a empresa, a palavra “Air” torna mais fácil a associação da marca TAP a uma companhia aérea no mercado norte-americano, onde a companhia está concentrando a sua expansão internacional. Aliás, com a expansão, a Tap acabou adquirindo recentemente um novo modelo em sua frota, o A330-300.

Azul expande no internacional
Azul finalmente anunciou acordo de code-share com a JetBlue, companhia aérea americana também criada por David Neeleman. A empresa também anunciou a retomada da rota Belo Horizonte - Orlando e o inicio da rota Belém - Fort Lauderdale.

Avianca também segue expandindo no internacional
A Avianca Brasil ficou satisfeita com a ocupação dos voos internacionais para Miami. Além dos voos para Santiago e Nova York, a companhia também anunciou voos para Bogotá a partir de Recife e Salvador. Além disso, a Avianca Brasil também iniciou code-share com a Tap. As duas fazem parte da Star Alliance. No mercado nacional, a Avianca voltou a voar para Belo Horizonte.

Mais Boeing 787 no Brasil
A produção começou há apenas 6 anos, mas hoje já existem quase 600 Boeing 787 voando pelo mundo. A AeroMéxico anunciou a vinda da aeronave para o Brasil, na rota para São Paulo. No Rio, a British Airways vai passar a operar a aeronave.

Argentina bombando?
A Argentina em breve irá ganhar suas primeiras companhias aéreas low cost, low fare. Depois que o presidente Mauricio Macri lançou o Plano Aerocomercial, várias empresas mostraram interesse em operar no país: Flybondi, Avianca Argentina, Norwegian Air Argentina. Porém na Argentina os preços das passagens ainda são controlados, ou seja, há uma limite mínimo que pode ser cobrado em cada trecho.

A320neo liberado no Santos Dumont
ANAC autorizou o modelo Airbus A320neo a operar no aeroporto Santos Dumont graças ao SHARP (Short Airfield Package), um pacote de modificações em aerodinâmica, controle de voo, frenagem e software, permitindo que a aeronave consiga decolar e pousar em pistas mais curtas. Até então o A320 só podia operar no Santos Dumont com restrição de peso máximo de pouso e de decolagem. O SHARP vai permitir que as companhias aéreas operem com capacidade máxima de passageiros em aeroportos com pista muito curtas. A Azul e a Avianca Brasil são as duas primeiras no mundo a operar o A320neo com SHARP.
Em parceria com a Gol, a Boeing já havia lançado, em 2006, o pacote SFP (Short Field Performance), tornando o Boeing 737-800 capaz de operar no Santos Dumont. O Boeing 737 MAX 8 também irá contar com essa opção.


Atualizado em 23/08/2017
quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Long-haul low-cost: uma nova revolução?

Até o fim da década de 1970, o mercado de aviação comercial era dominado por companhias aéreas "tradicionais", voar era para poucos, com diversos mimos para os passageiros e grandes poltronas. Tudo isso funcionava em um ambiente de preços altamente regulados, limitando bastante a competição. Esse padrão de mercado regulado prevaleceu a partir do término da Segunda Guerra Mundial, resultado da Convenção de Chicago, em 1944, onde o transporte aéreo comercial passou a ser visto como um setor nascente e estratégico.
A primeira revolução aconteceu nos EUA em 1978, quando teve inicio a desregulamentação do mercado. Foi ai que a primeira low cost, low fare do mundo, a Southwest Airlines começou a despontar e causar uma revolução no setor. Na Europa, a EasyJet foi uma das pioneiras. Logo o modelo low cost, low fare se mostrou um sucesso e se espalhou por todo o mundo, causando o fim de várias companhias aéreas tradicionais como TWA, Pan Am, SwissAir e Varig. Várias outras tiveram que ser socorridas pelos governos de seus respectivos países para não irem à falência. As companhias low cost, low fare introduziram uma concorrência verdadeira no mercado de aviação comercial e permitiram a redução dos preços das passagens, aumentando o número de passageiros.
Porém, até agora, as low cost, low fare se concentram em voos de curta/média distância. São poucas as que se arriscam em voos de longa distância. No entanto essa realidade pode mudar em pouco tempo.

Long-haul low cost, low fare
Empresas como WestJet e Norwegian estão transformando as viagens de longa distância da mesma forma que a Ryanair e a EasyJet transformaram a de curta distância na Europa e estão começando a incomodar as companhias tradicionais, que ainda estavam soberanas nesse segmento de mercado.
Richard Branson anunciou que vai abrir mão do controle da Virgin Atlantic, empresa aérea fundada por ele em 1984, para forma uma aliança com Air France-KLM, Delta Air Lines e China Eastern. A Air France-KLM vai comprar uma participação de 31% na Virgin Atlantic, que estava em mãos do Virgin Group, de Branson. O acordo também prevê que a Delta e a China Eastern comprem participações de 10%, cada uma, na Air France-KLM.  A Air France-KLMDelta e Virgin Atlantic também anunciaram um acordo para criar uma joint venture mundial, para contra-atacar as low cost.
Virgin Atlantic, que iniciou operações revolucionando o mercado com alto nível de conforto e entretenimento inédito à bordo, passou a enfrentar dificuldades no início da década de 2010. A Air France-KLM também tem problemas com uma base de custos alta demais em comparação à das rivais mais novas. A empresa tenta criar uma subsidiária low cost, mas enfrenta oposição sindical. A joint venture tripla vai incluir o compartilhamento de instalações nos aeroportos e a possibilidade de combinar os programas de milhagem.

No Brasil
No Brasil, a desregulamentação do setor só chegou na década de 1990 e a primeira low cost, low fare nasceu em 2001: a Gol. Depois tivemos empresas que não deram muito certo como a WebJet e a BRA. Em 2008 surgiu uma nova proposta de low cost, low fare, inspirada na JetBlue, a Azul. Em dezembro de 2014 a Azul inciou seu primeiro voo internacional. Apesar disso, o modelo da Azul para voos internacional está muito mais próximo das companhias aéreas tradicionais do que das low cost como WestJet e Norwegian.
Entretanto, as companhias tradicionais aqui no Brasil já começaram a se movimentar. A Latam começou a implementar um novo modelo de tarifas em voos domésticos, se aproximando do modelo low cost, low fare. No mercado internacional está costurando acordos cada vez mais profundos com suas parceiras OneWorld American Airlines, British Airways/Iberia e Qatar Airways.

Como é um voos de longa distância numa low cost, low fare?
A Norwegian cobra preços bem mais em conta do que as companhias tradicionais, que pode chegar a ser 50% mais baixo do que as companhias aéreas tradicionais, mas isso tem uma contra partida. Nada de fones de ouvido, travesseiro, cobertor e refeições gratuitas. Porém os passageiros podem trazer os seus próprios acessórios e refeições se quiserem ou podem comprar todos esses itens separadamente a bordo.
Além de não oferecer nenhum mimo para os passageiros, a Norwegian utiliza aeronaves modernas Boeing 787, que proporcionam uma economia de combustível de cerca de 20% em relação a aeronaves de mesmo porte. Além disso, a companhia utiliza uma configuração de alta densidade, diminuindo o custo por assento. Enquanto um Boeing 787-8 leva em média 250 passageiros, na Norwegian eles levam 291.

Translate

Receber Posts por E-Mail

Sobre Nós

Minha foto
aviacaocomercial.net
O site AviaçãoComercial.net foi criado em agosto de 2009, a partir do site FSDownload.net (lançado em 2004). O site www.aviacaocomercial.net é dedicado a aviação comercial brasileira e mundial, com informações sobre aeronaves, companhias aéreas, dados e etc. O Blog de Notícias se dedica a informar aos visitantes as últimas notícias da aviação comercial brasileira e os principais acontecimentos da aviação comercial mundial.
Visualizar meu perfil completo

Versão Para Celulares

Versão Para Celulares

Notícias Populares

Postagem em destaque

1914-2014: 100 Anos de Aviação Comercial!

No dia 1º de janeiro de 1914 aconteceu o primeiro voo comercial da história. Abram Phell pagou U$400 para fazer a viagem de avião pela St....

Tecnologia do Blogger.