Busca interna

quarta-feira, 12 de março de 2014

Boeing 747-8 chega ao Brasil pela Lufthansa

No próximo dia 29 de março a Lufthansa passará a operar com o Boeing 747-8 na rota Frankfurt – São Paulo. Até então a rota era operada pelo Boeing 747-400, que passará a voar na rota Frankfurt – Rio de Janeiro a partir do dia 31 de março. A rota para o Rio antes era operada com o Airbus A340-300.
O novo B747-8 é a 11º unidade dos 19 encomendados pela Lufthansa e oferece mais espaço para os passageiros em todas as classes e uma nova cabine inspirada no Boeing 787. Outra novidade é que a Lufthansa irá introduzir na sua frota intercontinental a nova Classe Econômica Premium com 50% mais espaço do que a classe econômica, assentos mais largos, apoio de braço para cada passageiro, maior reclinação e distancia de 38 polegadas (97 cm) entre as fileiras.
Boeing 747-8 foi lançado em 2010 pela Cargolux, na versão cargueira, e pela Lufthansa, na versão de passageiros.
Diferentemente dos estudos mais ambiciosos da década de 1990, o novo 747 não incorpora uma grande extensão da fuselagem. Em vez disso, a fuselagem do B747-8 tem dois trechos a mais que o B747-400, dando apenas um modesto aumento na capacidade. A fuselagem mais longa permite que o B747-8 transporte cerca de 51 passageiros a mais do que o Boeing 747-400, na versão de passageiros, e 16% mais carga na versão cargueira. A Boeing chegou a cogitar um alongamento ainda maior na fuselagem para acomodar mais 17 assentos, porém isso geraria uma redução do alcance em cerca de 500 km e isso não agradou clientes como a Emirates. Além disso a versão cargueira (B747-8F) possui o deck superior (o segundo andar) mais curto do que na versão de passageiros (B747-8I). Isso foi feito para evitar um aumento inútil do comprimento e do peso do avião, já que não há uso do deck superior na versão cargueira. 
Apesar de terem o mesmo comprimento, o deck superior da versão
cargueira (B747-8F) é menor do que o da versão para
passageiros (B747-8I)
No que diz respeito a fuselagem a Boeing focou na redução do peso utilizando materiais como fibra de carbono e ligas avançadas de alumínio. Porém visualmente há pouca diferença entre a fuselagem do B747-8 e as versões anteriores.
Já as asas do B747-8 são completamente novas. Juntamente com as novas turbinas GEnx, são os principais componentes que fazem o B747-8 ser a versão mais eficiente já produzida. As asas do 747-8 incorporam tecnologia avançada de ponta e tem o mesmo nível de tecnologia das asas do Boeing 787. Embora a asa do B747-8 tenha dimensões semelhantes as do B747-400, ela não utiliza nenhuma característica aerodinâmica das asas anteriores e incorpora novas tecnologias como raked wingtip, fluidodinâmica computacional, supercritical airfoil e fly-by-wire. A parte da asa que foi mais modificada foram os flaps. Durante os voos de teste a Boeing gastou muito tempo para melhorar ainda mais as velocidades de aproximação. No entanto todas essas mudanças nas asas criaram vários problemas, incluindo mudança no centro de gravidade, o que ajudou a atrasar o programa em cerca de dois anos.
Para os passageiros o Boeing 747-8 também traz muitas mudanças. A cabine de passageiros passou por uma mudança significativa, inspirada na cabine do Boeing 787. O interior da cabine possui uma arquitetura curvada que proporciona uma sensação de mais espaço e conforto. O novo sistema de iluminação também permite transições suaves do claro para o escuro. A escada que liga a cabine principal ao deck superior também foi modificada e agora está mais elegante e larga. O deck superior também passou por uma mudança significativa e é uma cabine de tamanho semelhante ao do Boeing 737-700. As janelas também foram revisadas, baseando-se nas janelas do Boeing 777, e ganharam um aumento estimado de 8% na área de visualização útil. Enquanto isso, a cabine do piloto é bem familiar para os que estão acostumados com o B747-400.
Com um peso máximo de decolagem (MTOW) 13% maior do que a versão 400, o 747-8 é equipado com trens de pouso reforçados. As dezoito rodas também ganharam novos freios e pneus.
Os novos motores GEnx-2B67 possuem 66500lb de empuxo e são derivados o GEnx-1B (do Boeing 787). As turbinas possuem um novo design, um ventilador de 2,67 metros, controle de vazamento digital, um novo cooler e utiliza materiais leves como fibra de carbono. As turbinas ainda contam os redutores de ruído “dente de serra” (saw-tooth) assim como o Boeing 787. Esses dispositivos foram desenvolvidos pela NASA e suavizam o ar quente que sai do motor e se mistura com o ar frio do ventilador, reduzindo a turbulência e a formação de ruído. O Boeing 747-8 é 30% menos barulhento do que o Boeing 747-400. Os motores GEnex-2B também foram projetados para serem 13% mais econômicos, mas o desempenho observado ficou aquém do esperado. Aliás um duro golpe para o Boeing 747-8 foi o fato dele não conseguir alcançar o desempenho prometido. O 747-8 se mostrou mais pesado e não atingiu a economia de combustível previamente anunciada. A Cargolux chegou a recusar-se a receber o modelo, mas acabou aceitando e a Atlas Air diminuiu a sua encomenda de 12 para 9 unidades.
Juntamente com a GE, a Boeing anunciou um pacote de melhorias aerodinâmicas, no motor e no peso para garantir o desempenho prometido. O Pacote de Melhorias de Performance (PIP em inglês) inclui 4% a mais de empuxo, redução de 2270 kg no peso da aeronave e melhorias para reduzir o arrasto na altitude de cruzeiro. Outro item no topo da lista é a reativação do tanque de combustível no leme horizontal, que está desativado depois que uma analise mostrou que em determinadas situações pode ocorrer vibração quando há combustível no tanque.


Boeing 747-400
Boeing 747-8I
Comprimento:
70,7 m
76,3 m
Envergadura:
64,4 m
68,4 m
Altura:
19,4 m
19,4 m
Motores:
PW4062 com 63300lb de empuxo

RR RB211-524H2-T com 59500lb de empuxo

GE CF6-80C2B5F com 62100lb de empuxo
GEnx-2B67 com 66500lb de empuxo
Capacidade de combustível:
216840 litros
242470 litros
Alcance:
13450 km
14815 km
Peso máximo de decolagem:
394600 kg
442300 kg
Peso máximo de pouso:
285800 kg
312100 kg
Velocidade de cruzeiro:
907 km/h
920 km/h
Passageiros:
416 em três classes
467 em três classes
Passageiros (configuração da Lufthansa):
322 ou 344 ou 352 em três classes
362 ou 372 ou 386 em três classes


As mais lidas do ano passado

As mais lidas

Populares

Postagem em destaque

Os Boeing que não existiram

Na industria da aviação comercial é muito comum aeronaves que ficaram só no papel. Todas as fabricantes possuem modelos que não deram certo ...

Sobre Nós

Minha foto
O site AviaçãoComercial.net foi criado em agosto de 2009, a partir do site FSDownload.net (lançado em 2004). O site www.aviacaocomercial.net é dedicado a aviação comercial brasileira e mundial, com informações sobre aeronaves, companhias aéreas, dados e etc. O Blog de Notícias se dedica a informar aos visitantes as últimas notícias da aviação comercial brasileira e os principais acontecimentos da aviação comercial mundial.

Arquivo

Últimas Postagens