Busca interna

segunda-feira, 14 de agosto de 2023

Galeão - Uma novela que não se passa no Leblon


Projeto para expansão do Galeão em 2013

No dia 10 de agosto o governo federal assinou uma portaria que limita o aeroporto Santos Dumont a voos com até no máximo 400 km de distância excluindo aeroportos internacionais. A retomada do crescimento dos voos no Galeão, vem sendo debatida entre os governos federal, estadual e municipal há alguns meses, se tornando uma verdadeira novela. 


Capitulo 1: Anos dourados
Galeão foi oficialmente inaugurado em fevereiro de 1952. Seu principal objetivo na época era receber os grandes aviões que o aeroporto Santos Dumont não era capaz de receber devido a sua pista curta. Com a evolução para os jatos, o Galeão passou a receber ainda mais voos e se tornou o aeroporto mais movimentado do país. Na época o Rio de Janeiro ainda era a capital do Brasil, porém São Paulo estava se tornando uma cidade cada vez mais rica, superando o Rio em demanda de tráfego aéreo. Contudo São Paulo só tinha o aeroporto de Congonhas, que até conseguia receber alguns jatos, mas grandes jatos de voos intercontinentais não eram capazes de pousar lá. Sendo assim o Galeão se tornou o hub internacional não só do Rio, mas do Brasil.


Capitulo 2: Fim de festa
Em janeiro de 1985 foi inaugurado o Aeroporto Internacional de Guarulhos. Gradualmente as companhias aéreas foram transferindo seus voos para Guarulhos, pois era de São Paulo que vinha a maior parte da demanda. Ao longo da década de 1990 o Galeão foi descendo a ladeira até chegar no fundo do poço - saindo da liderança para a quinta posição no ranking dos aeroportos brasileiros mais movimentados.


Capitulo 3: Uma chance de virada
Em 2010 o aeroporto voltou a apresentar crescimento robusto no número de passageiros. No embalo do crescimento econômico do Brasil, Copa do Mundo de 2014 no Brasil e as Olimpíadas de 2016 no Rio, era difícil de não acreditar que finalmente o Galeão iria voltar aos seus tempos de glória. E realmente voltou, porém por pouco tempo. Em novembro de 2013 foi anunciada a privatização do aeroporto pela Odebrecht e Changi Airport Group. Em 2012 o Galeão atingiu o seu recorde com 17,4 milhões de passageiros. Na época se acreditava que isso era só o começo de uma grande onda de crescimento. A Concessionária investiu pesado no aeroporto, ampliando o Terminal 2 em 100 mil m² e construindo 26 novas pontes de embarque. Ainda estava previsto a construção de duas novas pistas, a ampliação do pátio de aeronaves de 47 para 191 posições, ampliação do estacionamento de veículos, ampliação do Terminal 2 e a construção do Terminal 3. A previsão da Infraero era um aumento do movimento anual de passageiros para 43,2 em 2043 e já para 2014 um movimento de 20 milhões. 


Capítulo 4: Um novo duro golpe
A previsão já foi imprecisa desde o primeiro ano, em 2014 o Galeão recebeu 17,3 milhões de passageiros. A demanda seguiu estável até 2017, com os efeitos das Olimpíadas. A partir de 2018 foi novamente ladeira a baixo. O aeroporto também foi o mais afetado pelo Covid-19, sendo o único dos 25 maiores aeroportos brasileiros que registrou queda em 2021, enquanto todos os outros apresentaram crescimento médio de 33%. Em 2022, enquanto a maioria dos aeroportos recuperaram 80% ou mais do movimento pré-pandemia, o Galeão recuperou apenas 42%. ViracoposSantos Dumont inclusive ultrapassaram 100% e tiveram movimento maior em 2022 do que em 2019.


Capitulo 5: Feitiço vira contra o feiticeiro
Após a pandemia algumas companhias aéreas internacionais voltaram a voar apenas para São Paulo, outras adiaram por vários meses a volta ao Rio enquanto já estavam de volta em SP e quando finalmente voltaram as frequências foram bem menores. Isso contribuiu para a maior transferência de voos domésticos para o Santos Dumont, uma vez que o Galeão não oferecia uma boa conectividade. E isso se tornou um ciclo vicioso: as companhias aéreas concentram seus voos no Santos Dumont porque o Galeão tem poucos voos e conectividade, o Galeão fica com ainda menos voos, fazendo com que os voos internacionais sejam menos interessantes para os passageiros e para as empresas, o que gera um novo ciclo de diminuição dos voos.

Um passageiro que embarca para um voo internacional no Santos Dumont esta sendo cada vez mais comum. É mais conveniente para a companhia aérea e para o passageiro, que embarca em um aeroporto no centro da cidade (mais perto), já despacha sua bagagem para o destino final e faz o trajeto Santos Dumont - Guarulhos - destino internacional. Em Guarulhos o passageiro tem muito mais opções de conexões e uma variedade maior de serviços tais como restaurantes, lojas, lounges e fast track. Da mesma forma que o Galeão capturava todo o tráfego internacional de São Paulo, agora Guarulhos está capturando boa parte do tráfego internacional do Rio.

Atualmente nenhuma companhia aérea brasileira tem o Rio de Janeiro como principal hub. Latam e Gol utilizam Guarulhos e Congonhas enquanto a Azul utiliza Viracopos, todos em São Paulo - que atualmente é responsável por 35% de todo o movimento de passageiros no Brasil. Das três apenas a Gol tem um hub secundário no Rio, porém atualmente mais focado no Santos Dumont. Mesmo assim a Latam foi a líder no nº de passageiros e a Azul em RPK no Santos Dumont em 2022. Já no Galeão a Gol é líder nos dois quesitos com 40% e 19%, respectivamente. Quando analisado pelo RPK, a Air France-KLM e aparece na liderança com 21% (mais do que os 19% Gol) e a Tap aparece em terceiro, com 12% do volume de passageiros no Galeão. Isso mostra como o Galeão está carente de voos domésticos e que nenhuma companhia aérea brasileira têm interesse no aeroporto nesse momento. Em comparação LatamGol e Azul (nessa ordem) são responsáveis por 79% dos passageiros transportados de/para Guarulhos. No quesito RPK a Latam aparece na liderança com 35%, seguida pela Gol. A primeira estrangeira a aparecer no ranking é a Air France-KLM com apenas 5,3% - cenário bem diferente do Galeão. O aeroporto onde as companhias aéreas locais decidem montar seus hubs influencia a quantidade de passageiros que irão passar por lá, seja nacional ou internacional. A vantagem que o Galeão tinha anos atrás onde todas as principais companhias brasileira tinham seu hub lá, agora esta com Guarulhos. Os números mostram que para as companhias aéreas está mais conveniente trazer os passageiros do Rio para São Paulo ou outro hub do que criar um hub no Rio.

A economia do estado do Rio de Janeiro foi também uma mais afetadas nos últimos anos, começando pelo escândalo de corrupção (Operação Lava Jato) em 2014, passando pela crise da Petrobras e a instabilidade política causada por 6 governadores ou ex-governadores presos ou afastados. 


Capitulo 6: Flashback
O ano era 2004: Santos Dumont estava operando além da sua capacidade máxima, com movimento de 5,3 milhões de passageiros, enquanto o Galeão operava muito aquém da sua capacidade, com movimento de 4,6 milhões de passageiros em 2003. Sendo assim o DAC limitou o Santos Dumont a voos para Congonhas e voos regionais com aeronaves de até 50 assentos. O plano deu certo e em 2008 o Galeão atingiu 10,7 milhões de passageiros, enquanto o Santos Dumont ficou com 3,6 milhões de passageiros. Chegando perto da capacidade máxima do Galeão, a restrição foi desfeita, em 2009, e o Santos Dumont teve um crescimento impressionante, chegando em um movimento de 9 milhões de passageiros em 2012. Dessa vez o Galeão também seguiu crescendo, atingindo 17,4 milhões em 2012. Porém a partir daí o Galeão passou a ficar com a demanda estável, enquanto o Santos Dumont seguiu crescendo. A partir de 2018 a demanda no Galeão começou a declinar, enquanto o Santos Dumont se manteve estável.

Outros aeroportos também experimentaram situações parecidas. Congonhas costumava ser o aeroporto mais movimentado do Brasil desde os anos 1960. Porém, em 1985, quando foi inaugurado o aeroporto de GuarulhosCongonhas perdeu cerca de 60% do movimento de passageiros. O aeroporto só se recuperou com a introdução dos jatos Fokker 100 e B737 nos anos 1990. Depois disso Congonhas cresceu tanto que chegou a ultrapassar Guarulhos no movimento de passageiros.
Já em Belo Horizonte, desde a sua inauguração, o aeroporto de Confins sofria com poucos voos, pois a maioria deles estavam no pequeno aeroporto da Pampulha, muito mais próximo do centro da cidade. A situação só foi definitivamente resolvida quando, em 2005, o governo de Minas Gerais limitou Pampulha apenas para voos regionais. 
Em Campinas, o aeroporto de Viracopos foi construído como uma alternativa para voos internacionais já que São Paulo não tinha nenhum. Porém o aeroporto nunca "decolou" de fato. Em 2008 houve uma reviravolta do aeroporto com a fundação da Azul que escolheu o local como o seu HUB. Se em 2008 Viracopos teve um movimento de 1 milhão de passageiros, em 2019 o mesmo aeroporto registrou um movimento de 10,7 milhões de passageiros, se tornando um dos mais movimentados do país.


Capitulo 7: Final feliz?
Com o movimento em queda livre no Galeão, o governo iniciou discussões para tentar reverter o quadro. Entre idas e vindas houveram várias propostas como licitação conjunta do Santos Dumont e Galeão, limitar a capacidade máxima do Santos Dumont e restringir as operações do Santos Dumont. A decisão final foi restringir os voos no Santos Dumont apenas para Congonhas e Vitória, uma medida bem parecida com o que foi feito em 2004. O objetivo dessa restrição é que a transferência dos voos para o Galeão faça com que o aeroporto tenha mais movimento, mais voos e mais possibilidades de conexão. Esse movimento é justamente o que pode atrair mais companhias aéreas e mais voos internacionais. 

Segundo a consultoria OAG, em 2019, na rota São Paulo - Frankfurt, operada pela Lufthansa, apenas 5,6% dos passageiros embarcados eram de São Paulo e tinham como destino final a cidade de Frankfurt. Os outros 94,4% dos passageiros usaram o aeroporto de Frankfurt apenas para fazer a conexão para o seu destino final e/ou não eram de São Paulo e fizeram conexão em Guarulhos para poder chegar na Europa. Esses números só mostram o quão importante é a conectividade de um aeroporto. Supondo que nem Guarulhos e nem Frankfurt tivessem conexões, a rota São Paulo - Frankfurt transportaria apenas 18 passageiros por dia - inviável para qualquer aeronave de longa distância. Nessa rota a Lufthansa operou o Boeing 747-8I com capacidade para mais de 350 passageiros e uma ocupação média de 88%.

Então o plano vai dar certo? Pode ser que sim, pode ser que não. Hoje em dia o mercado de aviação aérea no Brasil é aberto e de livre concorrência (apesar do mercado hoje ser dominado por apenas três empresas, o que configura um oligipólio), sendo assim quem manda são os passageiros. Eles vão decidir qual é a melhor opção para eles dado os voos existentes. Mesmo com as restrições impostas, um passageiro do Rio de Janeiro pode decidir fazer Santos Dumont - Congonhas - trajeto em terra - Guarulhos - destino internacional. Também nada impede um voo Galeão - Guarulhos - destino internacional, uma vez que Guarulhos tem maior oferta de voos e destinos que não são operados pelo Galeão. Está certo que essa restrição dificulta muito que os outros aeroportos brasileiros capturem a demanda internacional do Rio de Janeiro, mas não tem como prever qual será o comportamento dos passageiros. Do outro lado os estrangeiros que querem visitar o Rio de Janeiro podem escolher qualquer aeroporto no Brasil com voos para sua cidade e depois fazer conexão para o Rio. E para o Galeão ter um movimento sustentável, também tem que oferecer conexões para passageiros que não tem o Rio como destino final. Para escolher a melhor rota/aeroporto o passageiros irá se basear em diversos fatores tais como voo direto x voo com escalas/conexões, preço da passagem, tempo de conexão e programa de fidelidade. 

0 comments:

Postar um comentário

Postagens de 2023:

sexta-feira, 1 de dezembro de 2023

Notícias rápidas - Dezembro/2023

quinta-feira, 16 de novembro de 2023

Após 40 anos, o adeus ao Boeing 767 para passageiros no Brasil

segunda-feira, 9 de outubro de 2023

Nostalgia:
Curiosidades nostálgicas 3

quinta-feira, 21 de setembro de 2023

Notícias rápidas - Setembro/2023

segunda-feira, 14 de agosto de 2023

Galeão - Uma novela que não se passa no Leblon

terça-feira, 18 de julho de 2023

Nostalgia:
Curiosidades nostálgicas 2

quinta-feira, 22 de junho de 2023

Notícias rápidas - Junho/2023

sexta-feira, 26 de maio de 2023

Lufthansa compra ITA e garante liderança na Europa

quarta-feira, 1 de março de 2023

Notícias rápidas - Março/2023

terça-feira, 14 de fevereiro de 2023

Por que não tem mais aeronaves com quatro motores?

quarta-feira, 25 de janeiro de 2023

Participação no mercado em 2022

As mais lidas dos últimos 12 meses

As mais lidas de todos os tempos

Populares

Postagem em destaque

Os Boeing que não existiram

Na industria da aviação comercial é muito comum aeronaves que ficaram só no papel. Todas as fabricantes possuem modelos que não deram certo ...

Sobre Nós

Minha foto
O site AviaçãoComercial.net foi criado em agosto de 2009, a partir do site FSDownload.net (lançado em 2004). O site www.aviacaocomercial.net é dedicado a aviação comercial brasileira, com informações sobre aeronaves, companhias aéreas, dados e etc. O Blog se dedica as últimas notícias de forma resumida, curiosidades e análises sobre aviação comercial.

Arquivo